¡Únete!

¡Inscríbete gratis y recibe las mejores ofertas a través de "Territorio Ahorro"!

¡Suscríbete!

Qual o melhor tipo de pedra para utilizar na cozinha?

melhor pedra para a cozinha

Definir cores e materiais para o piso, paredes e bancada devem levar em consideração sua utilização e por isso, a pedra é a mais escolhida. 

Montar a própria cozinha, principal cômodo entre os molhados, pode ser um verdadeiro desafio.

No que diz respeito às pias de cozinha, além da pedra, opções como inox e até mesmo madeira estão disponíveis no mercado. 

Apesar disso, a pedra é ainda uma preferência majoritária, devido a sua resistência e variedade. 

Quais são as opções disponíveis?

As opções de pedra para a pia da cozinha são numerosas, um crescimento causado pelos tratamentos industriais em pedras brutas que se desenvolveram nas últimas décadas. 

O principal foco destas intervenções é controlar os níveis de porosidade. 

A porosidade é vista como um elemento que, além de modificar o aspecto da pedra, é decisivo para sua resistência a manchas e temperatura.

Portanto, no grupo de opções abaixo, é possível entender como este e outros fatores interferem em sua usabilidade. 

Granito: tradicional e barato

O granito é a opção mais tradicional no que tange ao revestimento de pias, bancadas e até mesmo pisos de cozinhas. 

Sua durabilidade e escassa manutenção é a razão da preferência do público em projetos de todo porte, em cozinhas simples ou sofisticadas. 

O granito é uma pedra natural, resultado de erupções vulcânicas, através da solidificação do magma terrestre. 

Este composto leva três minerais: mica, quartzo e feldspato, estando alguns destes elementos presentes em outras rochas usadas na construção civil. 

O processo de combinação destes minerais ocorre de maneira distinta em cada região por onde se registra atividade vulcânica, formando, ao longo do tempo, diferentes reservatórios de granito ao redor do tempo. 

Esta variedade é a raiz de suas diferentes cores e a abundância deste material no mercado, contribuindo para os baixos preços. 

Presente em grande parte das cozinhas planejadas de canto, diferenciar o granito de outras pedras é um exercício simples. 

O granito é uma pedra com brilho, característica por seus pequenos granulados de cor por toda a superfície da pedra, que podem ser acinzentados, azulados, pretos ou em tons pastéis, a depender de sua cor de fundo. 

Além da durabilidade, o granito é valioso por sua impermeabilidade e por isso, proteção contra manchas causadas por líquidos, sua resistência ao calor e riscos, e a variedade de texturas e cores, auxiliando seu encaixe nos projetos de design. 

Por outro lado, o peso desta pedra exige uma base mais forte, sendo imprescindível a instalação do granito a partir de um profissional especializado. 

O granito é comercializado em laje, mosaico e de maneira modular, esta última a um preço mais acessível. 

Mármore: sofisticado e personalizável

O mármore é a segunda principal opção no que diz respeito ao uso de pedras em pias e bancadas de cozinha, caracterizada por suas veias recortando toda a superfície da pedra. 

Apesar de mais caro que o granito, o mármore é cada vez mais requisitado nos projetos. 

Sua aparência, mais sóbria que o granito, confere um ar de elegância a cozinhas e banheiros que aplicam a rocha. 

Longe de ser restrito às pias de cozinha, o mármore é uma opção excelente para pisos, bancadas, paredes e outros elementos. 

A popularização de projetos como churrasqueira com balcão de mármore evidencia uma busca crescente pela rocha metamórfica, produzida a partir do calcário. O processo de formação do mármore é lento e acontece em altas temperaturas. 

Por essa razão, as jazidas de mármore são encontradas próximas a sua rocha matriz, em locais de alta atividade tectônica e sísmica, concedendo as condições de temperatura e pressão ideais para o rearranjo de minerais. 

O mármore possui uma resistência comprovada, sendo um tipo de pedra empregado em pisos de estabelecimentos comerciais, onde há um alto fluxo de pessoas e cargas circulando. Sua durabilidade e baixa manutenção fazem o favoritismo da pedra. 

Por outro lado, diferentemente do granito, o mármore é mais caro e apresenta maior porosidade, o que o torna mais suscetível a manchas. 

Outro aspecto presente em pedras porosas é a maior absorção de umidade. 

O mármore é uma peça mais versátil pelos muitos tratamentos empregados na pedra. Os procedimentos industriais para modificação de algumas características naturais, são: 

  • Polimento: maior brilho, superfície mais lisa e escorregadia;
  • Jateamento: inserção de areia na composição, maior aspereza; 
  • Levigamento: remoção de irregularidades, superfície lisa e sem brilho; 
  • Impermeabilização: aplicação de resina, menor porosidade. 

Em função destes procedimentos, o mármore pode ser aplicado de múltiplas formas em ambientes distintos. 

Aplica-se uma peça de mármore jateado em piso gail industrial, por exemplo, ao passo em que se usa o mármore resinado em uma pia de cozinha. 

Porcelanato: moderno e adaptável

O porcelanato é uma pedra sintética, isto é, sua formação é feita através de um processo industrial que combina diversos minerais. 

Sua principal vantagem diante das pedras naturais é a capacidade de imitar quase qualquer material. 

Alguns projetos de cozinha funcionam muito bem com tons presentes na madeira, uma opção pouco viável, já que a madeira não é indicada para áreas molhadas. 

O porcelanato surge como uma alternativa que simula o material com perfeição. 

Este é apenas um dos vários exemplos de uso desta pedra nos projetos de cozinha, combinando pisos, bancadas e pias com um único componente. 

O porcelanato pode ser associado ao metal em projetos domésticos, como solda em aço inox para cozinha. 

O porcelanato é derivado da porcelana, adicionado a outros materiais que, após a queima em 1200°C, confere um grau de porosidade muito baixo, tornando sua superfície impermeável. 

Além disso, o porcelanato passa por diferentes procedimentos químicos, voltados para seus muitos usos, de modo a garantir as características necessárias para a função que exercerá. 

Fatores como a resistência à temperatura, desgaste e relevo da peça são definidos previamente, em cada lote, separados por empresa de entrega rápida.

Quartzo stone: proposta de ser inquebrável

O quartzo stone faz também parte da família de pedras sintéticas, produzida industrialmente com cerca de 94% de quartzo natural, acrescido de resina de poliéster. Sua proposta é ser mais barato e resistente que o porcelanato e o silestone. 

O quartzo stone possui uma aparência brilhante, muito parecida ao porcelanato polido e por isso, ideal para projetos de pia e bancada minimalistas, com poucos detalhes em sua composição. 

Apesar de seu modelo mais clássico ser um branco translúcido, o quartzo stone pode receber estampas de diversos tipos, simulando outros materiais, como o mármore. Não risca, suporta temperaturas de até 250°C e não mancha. 

Vale lembrar que o quartzo natural está também presente na formação de outras pedras, como o granito. 

O quartzo stone pode compor pias de cozinhas gourmet, localizadas em cobertura de vidro retrátil

Critérios para escolha da pedra ideal

Escolher o tipo de pedra a ser usada na cozinha varia de acordo com os hábitos da pessoa que usará o ambiente, o fluxo de trabalho preparado sobre a bancada, os limites do orçamento e as substâncias que estarão em contato constante com a pedra. 

No momento de escolher a pedra ideal, algumas características inerentes às pedras, sejam estas naturais ou sintéticas, são analisadas: 

Porosidade

A porosidade é o componente que indica o grau de impermeabilidade de uma pedra e por isso, seu potencial de desgaste, absorção de umidade, manchas e até resistência contra choques. As pedras naturais apresentam uma porosidade maior. 

Granito e, principalmente, o mármore são as opções com maior grau de porosidade e por isso, alguns cuidados devem ser tomados, com ênfase no derramamento de líquidos altamente pigmentados, como molho de tomate, vinho, café e chocolate. 

As pedras naturais são preferências na maior parte dos projetos, sejam em cozinhas residenciais ou espaços com sistema de exaustão para cozinha industrial

Isso se dá por seus tratamentos, que reduzem a porosidade da superfície. 

Brilho e opacidade

Objeto de debates nas superfícies de porcelanato, as opções que acrescentam ou reduzem o brilho trazem consequências que vão além do fator estético. 

Ambos os processos trazem consigo um conjunto de vantagens e desvantagens. 

A escolha pela opacidade, por exemplo, geralmente está associada ao acréscimo de relevos, como o processo de jateamento. 

A alternativa reduz o risco de acidentes em pisos e aumenta a aderência em balcões, mas acumulam um maior teor de sujeira. 

As soluções de maior brilho, no entanto, são conhecidas por sua beleza e o toque extra de elegância nos projetos, além de facilitar a limpeza com seu acabamento liso. 

No entanto, marcas de gordura e riscos de acidentes são mais comuns em sua superfície escorregadia.

Planejando a cozinha

As cozinhas planejadas ganharam a preferência da população, sendo um dos serviços mais requisitados em escritórios de arquitetura e design. 

Desde a cortina sob medida destes ambientes até a cor dos eletrodomésticos, é importante atentar para os critérios: 

  • Medição prévia das bancadas; 
  • Posicionamento de área molhada e seca; 
  • Análise da luz e ventilação do cômodo; 
  • Estudo de maçanetas e ganchos de gavetas e armários.

Medir previamente as bancadas evita desconfortos com uma área de trabalho muito alta ou muito baixa.

Além de diferenciar a área molhada de seca garante um melhor aproveitamento do espaço, efeito também gerado por maçanetas e aberturas otimizadas.

Conclusão

Portanto, as pedras utilizadas nas cozinhas são premiadas com uma grande variedade de modelos, acessíveis para qualquer projeto. 

O mercado deste setor compreende a importância de uma maior resistência de materiais empregados em áreas molhadas. 

Diante de tantas opções, é importante que o consumidor reconheça as características singulares de cada pedra e avalie como estas se comportam em seu uso diário. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Actualizado el