¡Únete!

¡Inscríbete gratis y recibe las mejores ofertas a través de "Territorio Ahorro"!

¡Suscríbete!

Entenda a diferença entre o piso vinílico x laminado

piso vinílico

Principais substitutos da tradicional cerâmica e do porcelanato, o piso vinílico e o laminado estão entre os mais procurados para projetos arquitetônicos domésticos e empresariais, criando uma disputa vinílico x laminado

Com aparência e técnicas de instalação semelhantes, é possível compreender tamanha confusão. 

Seja pela durabilidade, praticidade de instalação, beleza ou custo-benefício, ambos os materiais são recomendados pelos melhores profissionais. 

Este artigo vai explorar as diferenças entre o piso vinílico e o laminado, porque eles ameaçam a hegemonia das cerâmicas e qual das opções escolher para cada tipo de projeto, como um hotel para casais, atentando-se para as precauções necessárias. 

Maior leveza e continuidade

Os pisos vinílicos e laminados são produzidos de materiais mais leves que a pedra ou a cerâmica, sendo esta uma das razões para sua instalação mais simples. 

Enquanto o vinílico é fabricado a partir do PVC, o piso laminado é um derivado da madeira. 

Em todos esses casos, as matérias-primas são submetidas a uma série de procedimentos industriais que aumentam a sua durabilidade e permitem a criação de mais peças usando menos recursos, prática que barateia a instalação desse piso em reformas residenciais.

A alta leveza combinada à resistência viabiliza a instalação rápida dos pisos vinílicos e laminados em grandes áreas, cobrindo as dimensões de uma sala de estar comum em apenas um dia. O método também gera menos entulho e é menos agressivo à construção. 

Por estar disponíveis no mercado sob o formato de placas retangulares, esses pisos conferem uma sensação maior de continuidade no aspecto do piso, uma vez que os intervalos entre uma placa e outra são menores que nos pisos tradicionais. 

Ao pensar em uma instalação de cerâmica ou porcelanato, o responsável pela construção, que pode ser uma empresas terceirizadas, deve considerar o rejuntamento como uma parte indissociável do resultado final.

Esse contraponto é minimizado no porcelanato, que é vendido em blocos maiores, mas não completamente eliminado. 

No piso vinílico e no piso laminado, em contrapartida, as placas retangulares são postas rente a outra, sem a necessidade de rejuntamento. 

Além de economizar recursos, a continuidade desses pisos é menos agressiva à estrutura do imóvel, permitindo sua troca sem grandes intervenções ou reformas muito poluentes. 

Por fim, a simplicidade dessas novas opções reduz a produção de lixo na construção civil. 

Piso vinílico: conforto térmico e acústico 

O piso vinílico, também chamado de piso de PVC, é produzido através do plástico de tipo PVC e adição de minerais e compostos químicos que melhoram sua resistência e viabilizam a inserção de estampas no material, favorecendo uma sala de reunião moderna

Usualmente vendido sob a forma de réguas, placas retangulares de baixa largura, o piso vinílico é instalado diretamente no contrapiso sem ranhuras ou relevos, após a aplicação de uma cola específica para esse tipo de material. 

As categorias de piso vinílico mais compradas são voltadas para o mercado residencial, com placas entre dois e cinco milímetros de espessura, com estampas que simulam a madeira. As riscas verticais e variações de tonalidade favorecem o formato da peça. 

Para o uso comercial, no entanto, as placas vinílicas passam dos cinco milímetros de espessura e apresentam um nível de resistência maior, uma vez que são projetadas para regiões movimentadas, com grande volume de pessoas por dia. 

Tais características fomentam uma série de benefícios intrínsecos ao piso vinílico, um dos itens com maior demanda nos últimos anos, impulsionada pelo aprimoramento das técnicas de tratamento industrial que acentuaram vantagens tais, como: 

Higienização mais simples 

Como um derivado do plástico, o piso vinílico é impermeável e por isso, pode entrar em contato com a água. 

Esse aspecto facilita a limpeza de pisos, viabilizando o uso de técnicas mais tradicionais que envolvem a dissolução de detergente neutro. 

Por essa razão, o piso vinílico é indicado para áreas molhadas, como o banheiro e a cozinha, com opções antiderrapantes disponíveis no mercado. 

A ausência de porosidades no material inibe a contaminação e proliferação de fungos e bactérias. 

Tamanho grau de impermeabilização torna o piso vinílico uma superfície mais higiênica e facilmente esterelizável que a cerâmica. 

Como um derivado de plástico, um material que não é orgânico, não corre o risco de corrosão por agentes biológicos, como cupins. 

Isolamento acústico

Um dos pontos altos do piso vinílico é a sua capacidade de isolar som, um impulsionador da maior aderência no serviço de reforma e construção de apartamentos, uma das modalidades habitacionais mais afetadas pelo barulho de vizinhos.

Aplicado ao chão, o piso é capaz de isolar o barulho gerado por passos de adultos, crianças e animais domésticos, como gatos e cachorros, aumentando o conforto acústico para aqueles que estão dentro e fora da casa. 

O isolamento acústico está aliado ao conforto térmico que o piso vinílico oferece, mantendo-se fresco durante a estação mais quente e perdendo pouca temperatura durante os tempos mais frios, ideal também para uma empresa de decoração para restaurantes

Desvantagens do piso vinílico

Apesar de todos os benefícios que o piso vinílico oferece, alguns pontos fracos devem ser observados pelo consumidor no momento da escolha. São eles: 

Risco de desbotamento

As placas de piso vinílico são estampadas artificialmente em ambientes industriais e apesar de sua resistência aumentada pelos procedimentos químicos aos quais são submetidas, existe um risco de desbotamento que não está presente nas escolhas mais tradicionais. 

Em oposição ao piso laminado, um derivado genuíno de madeira, as estampas do piso vinílico são 100% artificiais, uma vez que seu material é uma variação do plástico. 

Para aumentar o tempo de duração da peça e evitar esse tipo de deterioração, o responsável pelo espaço deve evitar o uso de líquidos abrasivos durante a limpeza e desinfecção, restringindo-se à água e ao detergente neutro. 

Suscetibilidade a ranhuras

As placas de piso vinílico podem ser riscadas e exibir essas ranhuras de maneira definitiva durante todo o seu tempo de vida. 

Por apresentar uma estampa artificial, as ranhuras são mais intensas e profundas na superfície vinílica em relação a seus concorrentes. 

Para espaços que apresentam muitas crianças ou contato constante com objetos pontiagudos, a instalação do piso vinílico pode não ser recomendada. 

Versões submetidas a tratamentos extra podem apresentar um nível de resistência um pouco maior. 

Visual orgânico e sofisticado

A busca por essas versões de revestimento refletem a tendência por ambientes mais orgânicos e de aparência menos engessada, com projetos que utilizam texturas naturais na construção de ambientes domésticos e corporativos, unindo a natureza à tecnologia. 

Portanto, o aumento na demanda pelos pisos vinílicos e laminados reflete não apenas o preço mais competitivo dessas peças, mas o valor que elas passam. 

O piso laminado, extraído da madeira, reflete essas preferências com maior nitidez. 

Piso laminado: madeira econômica

A tecnologia usada na fabricação do piso laminado poupa a quantidade de madeira utilizada, barateando um produto de origem orgânica. 

Instalado sobre contrapisos de cerâmica, cimento e pedra, é conhecido por ser um piso flutuante. 

Essa nomenclatura é usada pois seu processo de encaixe não depende do uso de colas ou quaisquer substâncias, uma vez que não entra em contato direto com o contrapiso, mas recebe uma manta especializada entre as superfícies. 

Os únicos requisitos obrigatórios para o contrapiso é que ele seja liso, sem relevos ou pontos mais fundos, firme e esteja seco no momento da aplicação. 

Suas vantagens em relação ao piso vinílico são: 

  • Maior durabilidade: mesmo sem manutenção, resiste por décadas; 
  • Baixo acúmulo de sujeira; 
  • Material biodegradável; 
  • Rápida troca, barateando a manutenção; 
  • Acabamento que não desbota, risco reduzido de manchas. 

Por outro lado, ao observar as vantagens do piso vinílico, nota-se que o piso laminado deixa a desejar ou não oferece soluções muito melhores em termos de custo-benefício. 

Portanto, as desvantagens do piso laminado se manifestam na: 

  • Resistência reduzida à umidade; 
  • Vulnerabilidade à contaminação por fungos; 
  • Baixa absorção de ruído; 
  • Maior rigidez em relação ao piso vinílico. 

Assim, o uso do piso laminado deve estar confinado às áreas secas da casa, como salas, quartos e escritórios, evitando seu contato com espaços úmidos. 

Sua limpeza deve ser executada com pano e produtos para pisos sensíveis à água. 

Como escolher o piso certo?

A escolha do piso deve estar compatível com a realidade do ambiente que será revestido. 

Quando se trata da construção civil, a palavra de ordem em muitos casos é a disponibilidade. Algumas dicas para escolha do piso certo são: 

  • Identifique o tipo de construção e o estilo de reforma; 
  • Realize uma projeção de orçamento entre as opções; 
  • Busque um profissional especializado; 
  • Pese quais são as necessidades mais prioritárias. 

Desta forma, o consumidor terá todas as ferramentas necessárias para escolher qual material será incluído em seu projeto, uma decisão que, ao ser tomada com antecedência, previne muitos problemas futuros.

Conclusão 

Os pisos vinílicos e laminados são ideais para contextos e necessidades distintas, sendo importante conhecer os pontos fortes e fracos de cada um antes de decidir qual será o material instalado em sua casa ou empresa. 

Com opções que se encaixam em espaços residenciais e empresariais, esses materiais são recomendados em áreas onde a exposição a potenciais abrasivos seja menor, com a alternativa de combinar superfícies de texturas e matérias-primas distintas. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

Actualizado el