Cloro na piscina: saiba como ele age e a sua importância

piscina

Quem nunca ouviu recomendações de não abrir o olho debaixo d’água por conta do cloro na piscina? É bem provável que você tenha escutado muito isso quando criança, ou até mesmo repita essa orientação para seus filhos.

De fato, é uma dica valiosa para evitar irritação e vermelhidão nos olhos. Afinal de contas, embora não cause problemas de saúde quando administrado em quantidades certas, o cloro ainda é o produto de tratamento mais usado na limpeza das piscinas.

Assim como toda substância química, é preciso ter cuidado ao manuseá-lo e saber a quantidade correta para o tratamento da água - e o artigo de hoje vai tratar exatamente sobre isso!

Por isso, acompanhe a leitura e saiba como o cloro age e a sua importância para a limpeza das piscinas.

O que é o cloro?

O cloro (CI) é um elemento químico pertencente ao grupo dos halogênios, sendo o segundo composto mais leve, depois do flúor. Em condições normais, a substância é gasosa, em coloração amarelo-esverdeada, com uma forte ação oxidante.

Mas, para o tratamento de piscinas, o cloro é normalmente vendido granulado, em pó ou em tablete, para facilitar o manuseio do produto e a aplicação correta na água.

A substância pode ser usada em qualquer tipo de piscina, tanto na construção de piscinas pequenas quanto grandes. O cloro irá manter a água saudável, sendo o responsável por eliminar as bactérias, fungos e outros microrganismos que se desenvolvem nesse ambiente.

Devido às suas propriedades químicas, o cloro retira qualquer ameaça de forma muito eficaz, sem causar danos à saúde humana, desde que usado nas proporções adequadas.

Por causa disso, todo o processo de administração do cloro na água deve ser feito de modo calculado, com um controle do volume da piscinas, de pH e alcalinidade, para verificar a quantidade certa da substância, de acordo com as análises efetuadas.

Como o cloro reage na água?

Ao entrar em contato com a água, o cloro desencadeia uma reação química, criando subprodutos, que são: o ácido hipocloroso (HOCI) e o íon hipoclorito (OCL), que reagem contra os lípidos do ambiente e os deixam inofensivos.

O ácido hipocloroso tem ação direta contra as bactérias, enquanto o hipoclorito demora um pouco mais para fazer efeito, mas também elimina os microrganismos da água.

Contudo, para que todo o processo de clorificação tenha efeito, é necessário que a água esteja com o pH ajustado.

Afinal de contas, em um ambiente extremamente ácido, a quantidade de HOCI será menor, levando mais tempo para o tratamento.

Como clorar a piscina?

A aplicação do cloro é um dos processos mais importantes no tratamento e limpeza da água.

O manuseio da substância exige o uso de EPIs (equipamentos de proteção individual) específicos, por isso, muitas pessoas usam uniforme de limpeza masculino ou feminino durante o atividade.

Depois de separar os materiais corretos e os equipamentos de proteção, é preciso fazer a análise da água. Vale lembrar que a quantidade de cloro varia de acordo com o tamanho da piscina, por isso, tenha em mãos a litragem correta do local.

A análise da água envolve os seguintes passos:

  • Medição do pH (entre 7,2 e 7,6);
  • Medição da alcalinidade (entre 80 e 120 ppm);
  • Medição do nível do cloro (entre 1 a 2 ppm);
  • Medição da quantidade de água na piscina.

Em geral, as proporções são: 4 gramas de cloro granulado para cada 1000 litros de água; ou 15 ml de cloro líquido para 1000 litros de água. No entanto, sempre verifique as recomendações do fabricante, visto que a dosagem também se altera conforme a marca.

Independentemente do tamanho da piscina, seja um deck de madeira para piscina redonda residencial ou um complexo de piscinas olímpicas, a recomendação é aplicar o cloro pelo menos 3 vezes na semana.

Isso mantém a qualidade da água adequada para o banho e elimina qualquer desenvolvimento de microrganismos no ambiente aquático.

Alguns fatores externos podem interferir nos indicadores da piscina e até mesmo exigir uma limpeza mais frequente. Por exemplo, em épocas com excesso de chuvas ou quando a piscina é usada com frequência, o nível do cloro tende a diminuir.

Por esse motivo, é necessário aplicar uma quantidade maior do produto, para manter a piscina livre das bactérias e sujeiras.

A temperatura da água também pode influenciar. Por isso, quem tem aquecedor de piscina externo também deve verificar as recomendações do fabricante, quanto ao uso do cloro nessas condições.

Depois da aplicação do cloro, é preciso esperar aproximadamente 2 horas antes de ligar o filtro. Esse é o período de reação do produto, para que ele possa se espalhar, de modo homogêneo, por todo o tanque da piscina.

5 erros comuns na hora de aplicar o cloro

Apesar de parecer relativamente simples, clorar a piscina não é algo tão fácil quanto parece. Inclusive, muitos erros são cometidos nesta etapa do tratamento, o que acaba prejudicando a limpeza do tanque.

Abaixo, confira alguns dos erros mais comuns na hora de aplicar o cloro.

1 - Jogar o cloro direto na água

Esse é um erro muito recorrente, ainda mais porque as pessoas não têm tempo ou paciência para lidar com todo o processo de tratamento e cloração da água.

No entanto, ao jogar o cloro diretamente na água, corre-se o risco de danificar todo o revestimento da piscina, ainda mais se o material do tanque foi de vinil ou fibra de vidro. Não só as bordas, mas até mesmo o fundo pode ser prejudicado.

Por conta disso, a recomendação é diluir o cloro, antes de aplicá-lo na piscina. Para facilitar, tenha sempre um balde em seu carrinho de limpeza simples só para fazer essa diluição.

2 - Jogar cloro em Sol intenso

No Brasil, grande parte do território recebe uma grande incidência de Sol, por isso, é necessário ter um cuidado a mais na hora de aplicar o cloro na piscina.

Afinal de contas, a alta intensidade solar pode desestabilizar a reação química e, desse modo, prejudicar o tratamento da água.

Por isso, é importante escolher um horário específico para a cloração da piscina, como no começo da manhã ou no final da tarde, quando o Sol não está à pico.

Embora aparente ser um certo “inconveniente”, os raios solares são ótimos aliados para quem deseja investir em uma placa solar 300 watts para aquecimento da piscina.

3 - Jogar cloro no pré-filtro da motobomba

Jogar o cloro diretamente no pré-filtro da motobomba pode acarretar a corrosão dos componentes do equipamento, reduzindo a vida útil do dispositivo.

Há o comprometimento do selo mecânico e do eixo da motobomba, por isso, recomenda-se não colocar o produto químico no equipamento (principalmente, sem diluir!).

4 - Misturar o cloro com materiais metálicos

O cloro é um produto químico altamente oxidante e, por conta disso, no contato com objetos metálicos há uma reação de oxidação dos materiais, o que pode causar a perda de qualidade ou outras falhas.

Sendo assim, evite misturar qualquer componente metálico com o cloro, seja no processo de diluição da substância ou na aplicação direta.

5 - Misturar o cloro com as mãos

Além dos danos aos metais, o cloro pode ser extremamente prejudicial à pele humana. Por esse motivo, é fundamental o uso de EPIs, especialmente de luvas, para não causar nenhuma lesão ou dano à epiderme.

A inalação da substância também pode causar problemas ao aparelho respiratório, por isso, a recomendação é o uso de máscara na manipulação do cloro, ainda mais se a substância estiver em pó.

Uma dica para não esquecer os acessórios de proteção é anotar em uma agenda personalizada com nome todos os EPIs necessários e, assim, sempre que for fazer o tratamento da piscina, consultar as principais anotações.

Como manter a limpeza da piscina por mais tempo?

A limpeza da piscina deve ser feita semanalmente, mas há formas de manter a higienização do tanque por mais tempo.

A primeira dica é sempre coletar as sujeiras mais “pesadas”, como folhas e insetos que caem na água. Para fazer isso, use uma peneira específica para limpeza de piscinas.

Além disso, é possível evitar o acúmulo de resíduos cobrindo a piscina com uma lona de poliéster, ainda mais em estações com excesso de chuvas.

Para melhor eficiência de limpeza e cloração, recomenda-se contratar uma empresa especializada na higienização de piscinas e sempre buscar por produtos de qualidade.

Conclusão

A aplicação do cloro é um dos processos mais importantes na limpeza das piscinas.

Por esse motivo, é essencial ter cuidado com essa etapa, verificando exatamente a quantidade de cloro de acordo com o tamanho do tanque e as recomendações do fabricante.

O artigo de hoje buscou dar algumas dicas de como é a aplicação e a reação do cloro. Porém, em caso de dúvidas, entre em contato com uma empresa especializada.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Actualizado el