Casas Inteligentes: o que são e quais são suas vantagens?

smarthome

Hoje em dia, tudo é “smart”, não é mesmo? Essa palavra, que traduzida para o português significa “inteligente”, revela uma enorme tendência atual: são os smartphones, os televisores smart, os relógios e, mais recentemente, até as casas inteligentes.

Sim, já existem smart homes ou smart houses, embora elas sejam, ao menos por enquanto, um pouco diferente daquelas que estamos acostumados a ver nos filmes mais futuristas. Outro termo para elas, que utilizamos aqui no Brasil, é “domótica”.

Neste caso, a palavra remete a algo como “robótica aplicada a um ambiente doméstico”, daí a junção de termos. Trata-se da automatização de mecanismos elétricos e eletrônicos, o que pode incluir desde iluminação e climatização, até geladeiras “inteligentes”.

Ao contrário do que muita gente pode pensar, não se trata apenas de um luxo ou de algo totalmente inacessível para a maioria de nós. Junto com certos confortos que a proposta traz, é possível ganhar em segurança, por exemplo.

Veja-se o caso de uma porta acionada pela digital humana. Além disso, alguns de nós talvez já até utilizem algum elemento típico das casas inteligentes, como um sistema de câmeras internas e externas, algo cada vez mais comum e acessível.

Em outros casos, além de conforto é possível falar em melhorias na comunicação, já que várias tendências da Internet 5G e da conectividade de uma residência também podem ter elementos típicos da smart home.

Neste sentido, trata-se mesmo de um futuro que já chegou. Segundo pesquisa da Associação Brasileira de Automação Residencial, em nosso país, já existem mais de trezentas mil residências que contam com algum tipo de automação.

No mundo todo esse mercado cresce mais de 10% ao ano, e a tendência é que esse número apenas aumente. Tanto que hoje já existem muitas empresas que focam seu trabalho apenas nesse setor de automatização residencial.

Um ponto notável, aliás, é que em grande medida, as casas inteligentes foram e ainda continuam sendo influenciado pela Internet das Coisas (IoT, do inglês Internet of Things), que tem fortes relações com a Indústria 4.0 e tecnologias corporativas.

Pare pra pensar: faz sentido nós trabalharmos em empresas cada vez mais tecnológicas, automatizadas e robotizadas para, quando voltarmos para casa, vivermos em locais antigos e sem muitas funcionalidades?

Não faz nenhum sentido e, por isso mesmo, as casas inteligentes estão revolucionando nosso modo de viver em família e entre amigos. Para entender a fundo o que esse fenômeno representa e quais suas vantagens, é só seguir adiante na leitura.

Por dentro da praticidade e aplicações rotineiras

Certamente, a funcionalidade e o conforto são, como vimos acima, um dos grandes diferenciais de uma smart home, sobretudo se compararmos com casas comuns.

Afinal, nossa casa é o lugar onde queremos descansar e ficar totalmente à vontade.

Então, imagine uma automação residencial pelo celular, que permite que você controle várias coisas rotineiras antes mesmo de se levantar da cama. Ou ainda, que você faça isso antes de chegar em casa, ou quando estiver de viagem.

Na prática, uma rede de conectividade proporcionada por um sistema assim pode permitir as seguintes ações:

  • Ajuste de cortinas e iluminação;
  • Acionamento de eletrodomésticos;
  • Ajuste de temperatura do ar;
  • Controle de telas e multimídias;
  • Enchimento da banheira a distância;
  • Automação da cozinha, da geladeira;
  • Entre outros.

Para tornar tudo isso muito mais claro, podemos aprofundar em cada um desses exemplos, que no dia a dia ganham muito mais sentido do que aparentam em um primeiro momento. Um exemplo é o próprio café da manhã.

Ele pode começar pela programação da cafeteira, e até mesmo pela sanduicheira ou torradeira de sua preferência. Sim, pois hoje muitos desses aparelhos já contam com uma engenharia pensada para as casas inteligentes.

Até a instalação da luminária de led para cozinha já pode ser feita segundo uma conectividade que leva em conta esse tipo de controle remoto. O acesso e a usabilidade podem ser feitos por meio do celular, de tablets ou de controles específicos.

No fim do dia, o acionamento da banheira já conta com a temperatura da água. Mais ainda, o próprio ar-condicionado também é interligado, e pode deixar o ambiente na temperatura que você deseja, além de um forno conectado já ir adiantando o jantar.

Que tal um computador central para a casa?

Além dos benefícios detalhados acima, existe uma tendência dentro desse próprio nicho, que torna tudo ainda mais revolucionário. Trata-se de um computador central que controla toda a automação, como se a casa inteira fosse um sistema único.

É como dizer que todas as partes do imóvel são como um hardware, isto é, uma solução física, como as memórias ou o processador de um computador. Por exemplo, um chuveiro eletrônico pressurizado pode ser comparado a um hardware nesse sentido.

Assim, unificando todos os “hardwares”, temos o software central. Neste caso, a automação atinge um outro patamar, pois já não se trata de uma ou outra funcionalidade, mas de um sistema mais complexo e de maior abrangência.

Um termo que acompanha essa tendência é o “hands-free”, ou seja, mãos livres. A ideia é bem simples: tudo que você vai fazer é por comando de voz, mais ou menos como se você conversasse com a casa a todo o momento.

Além de luzes e som ambiente, você pode ter uma agenda e fazer com que a voz central o lembre de seus horários e compromissos. Também é possível usar os comandos de voz para navegar pela internet, tudo isso sem precisar usar as mãos.

Você pode mandar ligar na assistência técnica em tablet, para verificar se o serviço que você solicitou já está pronto. Ou ainda, pode verificar se há previsão de chuva, ou mesmo cotar e comprar produtos, apenas dando diretrizes por voz.

Nessa linha de evolução, existem até projetos de geladeiras inteligentes. Elas enviam mensagem para o seu celular quando determinado item acaba, ou quando a validade expira, ou mesmo indicando receitas para você fazer antes que o produto vença.

Sobre segurança e customização de dispositivos

Não é possível falar em automação residencial e smart home sem mencionar a questão de segurança, já sinalizada acima. Na verdade, atualmente tudo isso pode ir muito além de simplesmente instalar câmeras ou alarmes.

Às vezes trata-se de simplesmente ganhar autonomia sobre uma câmera. Assim, mais do que controlar uma persiana blecaute automática, você pode manter um sistema de vigilância, para o caso de ter uma babá ou cuidadora de idosos em sua casa.

Como todo mundo sabe, uma câmera parada pode não ser tão eficiente quanto um sistema de câmeras inteligentes e dirigidas remotamente.

Isso aumenta bastante a segurança do serviço que, hoje em dia, já inclui cuidado até mesmo com animais de estimação.

O acesso por biometria também ajuda na hora de acessar a residência por um portão, ou mesmo pela porta central. Em caso de sequestro, por exemplo, há sistemas que permitem sinais discretos no momento em que você passa sua digital pelo sensor.

Trancas eletrônicas em janelas e portões internos também podem ajudar, como na hora de soltar um cachorro que estava preso no quintal dos fundos.

Em outros casos, fechar uma janela remotamente pode ser uma solução e tanto. Por exemplo, se você tem um galpão com produtos frágeis que não podem molhar (como cenografia 3d ou qualquer coisa feita de papelão), e esqueceu de fechar o local.

A ideia de tecnologias que acabam empacando a vida também está fora de questão, já que uma biometria pode ser totalmente customizada para vários usuários, ou ser compaginada com dispositivos paralelos que não limitam a rotina de ninguém.

Onde entram a economia e a sustentabilidade?

Certamente, instalar todo um sistema de automação residencial é algo que tem seus custos. Porém, ele também pode trazer algumas economias consideráveis, e até mesmo importantes para a casa e a comunidade como um todo.

Com tais sistemas, é possível controlar a intensidade de cada eletrônico ou sistema conectado à rede, desde um projetor de vídeo portátil até um irrigador de água de jardim. Isso economiza energia/água de maneira que antes não era possível.

Além disso, também existem facilidades ligadas ao dia a dia. Por exemplo, se você viajar e esquecer as luzes ligadas, é possível corrigir isso sem precisar voltar.

O mesmo pode ser feito pelo celular, caso você já esteja recolhido para dormir, no cômodo de cima.

Ainda é preciso lembrar-se do impacto disso nos recursos naturais, ou seja, em termos ecológicos e sustentáveis. O mesmo ganho que uma indústria de porta celular acrílico tem com a automação, as residências também podem ter.

A simples economia de luz, água e até de gás já trazem um aspecto positivo. Mas também existem soluções típicas desse setor que são ainda mais ousadas, como painéis solares e até hortas sustentáveis.

Isso deixa claro como as casas inteligentes podem trazer muitos benefícios e vantagens, não apenas para seus donos, mas também para toda a comunidade e o mundo em que vivemos.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Actualizado el