Segurança na internet

seguranca na net

Com a Segurança na Internet na ordem de assuntos do mês, vamos perceber melhor porque é um tema tão falado e qual a sua importância.

Internet é a rede que tem a capacidade de ligar todas as máquinas que contenham componentes computorizados. É uma definição muito breve para um serviço que permite uma vastidão de possibilidades já tão corriqueiras: pagar as contas por homebanking, aceder a redes sociais, partilhar conteúdo laboral, trabalhar remotamente, ler emails no telemóvel, ter eletrodomésticos que fazem compras inteligentes, leituras automáticas de contadores municipais, ou carros inteligentes, entre tantos.

Se antes era fácil contornar um corte de eletricidade, a perda de acesso à Internet, hoje em dia, acaba mesmo por ter um prejuízo incalculável para pessoas que dependam da mesma tanto para dia-a-dia como para trabalhar. Uma oficina com equipamentos que transmitem resultados para um servidor, um hotel que perca a capacidade de reserva e check-ins, um escritório com trabalho baseado em ferramentas cloud.

E, se por um lado, os prestadores de serviços estão a investir cada vez mais na estabilidade dessas redes, sejam conectadas por Fibra, 4G ou o futuro 5G - que vem trazer à realidade as cidades inteligentes baseadas nesse mesmo conceito de interligação, por outro lado, vimos questionar também os malefícios dessas conexões, nomeadamente em termos de privacidade, que trazem à luz do dia questões a como a segurança da rede e a segurança dos próprios indivíduos na internet.

Não deixam de ser questões relacionadas, mas enquanto que uma boa segurança de rede, que deve ser adotada por quem implementa o serviço ( nomeadamente com firewall’s que impeçam a rutura da mesma por externos mas que também protejam quem se liga a esta, encriptando os dados do utilizador), a segurança na internet já passará por uma consciencialização do individuo-utilizador e na forma como este se expõe na rede.

Assim, ligados SEMPRE e em qualquer lado, facultamos informações confidenciais de boa fé. Numa rede com informação imensa e acesso ilimitado, podemos consultar o nosso próprio conteúdo e o conteúdo presente noutro aparelho desde que ligado à mesma rede e aceder a outra informação de uma forma fácil e inconsciente por parte de quem lá a deixou.

Então é preciso entender este conceito de rede interligada e perceber como proteger a informação que partilhamos voluntariamente e a informação que deixamos acessível involuntariamente, seja por desinformação, seja pela falta de segurança das redes a que nos ligamos.

Tenha atenção a onde se liga:

Prefira redes privadas. Na sua casa ou escritório onde os acessos múltiplos estão limitados.

Não aceda a NADA que necessite de password estando ligado a redes públicas. A internet fornecida na restauração ou centros comerciais, por exemplo, é ótima para se manter contactável, mas tenha noção que as suas pass’s ficam gravadas na mesma. Ou seja, está a fornecer de boa vontade o código de acesso ao banco, email, Facebook.

Garanta que protege os seus acessos:

Escolha uma password forte e não a repita para vários acessos. A recomendação é que tenha letras caps, letras regulares, números e um caractere especial.

Configure os seus acessos para que tenham um sistema de segurança dupla. No caso do email, acesso ao banco, acesso de redes sociais, já é pedido tanto a confirmação do email como um código que é enviado para o seu número na hora.

Desconfie de tudo o que possa envolver transações de dinheiro e dados relacionados:

Não forneça o seu número de cartão de crédito online. Tem opções de cartões recarregáveis bem como cartões virtuais que são facilmente criados e gratuitos.

Não corrobore com a subscrição de serviços que não pediu. Estes esquemas de fraude, infelizmente comuns, costumam fazer acreditar que deve pagar algo em troca de um serviço dúbio. Mas lembre-se sempre que nenhuma entidade credível lhe vai pedir dinheiro voluntariamente ou enviar um link para ganhar qualquer coisa de forma tão mascarada. Tenha em atenção ao remetente. Pesquise ou pergunte sobre o assunto.

Proteja o seu equipamento (pois ele guarda toda a informação por pre-definição):

Não abra mensagens ou links que não conhece ou de remetente erróneo. O possível download de um ficheiro corrompido com vírus ou malware dá acesso a que entrem no seu dispositivo e acedam a tudo. E que, inclusive em último nível, lhe tirem acesso ao mesmo.

Proteja a sua identidade:

Não forneça os seus dados nas redes sociais e não publique imagens das suas férias em tempo real. É muito fácil criar oportunidades de intrusão na vida actual quando avisamos o mundo que não estamos 2 semanas na morada que está indicada no nosso perfil social.

Não se exponha a desconhecidos. Não forneça informações através de conversas de chat que possam parecer bem-intencionadas. Denuncie utilizadores que o incomodem com agressões virtuais (cyberbulling) ou enviem / peçam o envio de conteúdo impróprio.

Monitorize (saudavelmente) o seu filho e principalmente instrua-o.

 

Em resumo, é obvio que a internet vem trazer muitas coisas boas, entre elas um facilitismo em tarefas diárias. No entanto também nos deve trazer a responsabilidade de ganhar consciência dos seus reversos para que possamos proteger o nosso conteúdo e informação, tanto como protegemos todos os bens nas nossas casas.

Fonte: https://brasfone.pt/

Actualizado el