Coifa, depurador e exaustor: quais as diferenças?

coifas

Com o crescimento da área de casa e construção no país, que tem se repetido ano a ano, crescem também outros setores. Design de interiores e eletrodomésticos como coifa, depurador e exaustor são um exemplo bastante ilustrativo.

Até porque, esses aparelhos que trabalham o ar viciado têm sido desenvolvidos de maneira cada vez mais completa, incluindo não apenas o aspecto da funcionalidade, mas também da beleza e da harmonia com o restante do ambiente.

Lembrando que esse ambiente pode remeter a uma cozinha residencial, como é mais comum, mas também há o caso da coifa industrial, que inclusive pode ir além da funcionalidade gastronômica, embora o nosso foco aqui seja o primeiro caso.

Vamos falar sobre as coifas, especialmente no tocante às diferenças que ela apresenta em relação aos depuradores e exaustores, que são opções que também estão se popularizando cada vez mais no país.

Em todos esses casos, o mais importante é o fato de que ninguém gosta de estar em uma cozinha cheia de fumaça ou de cheiros fortes. Em casos piores, o odor e a gordura podem se espalhar pelo resto da casa, piorando a situação.

Inclusive, quem cozinha sabe que nem é preciso fazer fritura para que o cheiro e até mesmo a própria gordura se alastre pelo ambiente. Mesmo sem fritar ingredientes em grande quantidade, o risco de comprometer cômodos próximos é grande.

Em outros casos, o cuidado é mais do que apenas um luxo, já que tal fumaça pode fazer mal para algumas pessoas, sobretudo crianças e idosos. 

Além de incomodar vizinhos, especialmente no caso de apartamentos e condomínios.

Sendo assim, pode ser o caso de precisar evitar concentração de gordura e produção constante de fumaça devido às próprias instalações da casa. Aqui a questão pode ir desde uma tomada muito perto do fogão até uma parede de gesso divisória.

Afinal, alguns acabamentos demandam mais cuidados (como é o caso do gesso e do drywall), além de que a parte elétrica da casa também precisa ser levada em conta na hora de instalar um fogão e começar a soltar fumaça, gordura e vapor.

Aí é que entra o trio coifa, depurador e exaustor. Por isso, decidimos escrever este artigo, dando várias dicas sobre as diferenças entre os três dispositivos, além de conselhos sobre como funciona um bom sistema de exaustão.

Portanto, se você quer entender melhor esse universo incrível antes de correr para as compras (ou mesmo se deseja entender melhor a funcionalidade de um item já comprado e instalado), basta seguir adiante na leitura.

Primeiro: o que são as coifas?

Uma das maiores confusões quando se fala no famoso trio “coifa, depurador e exaustor” é que, na verdade, as coifas podem acumular as outras duas funções.

Sendo assim, elas contêm em si mesmas a função de depurar e de fazer a exaustão do ar. 

Contudo, é preciso muito cuidado na escolha, pois nenhuma coifa consegue fazer as duas funções ao mesmo tempo.

Portanto, após a compra, você desfrutará de apenas uma das funcionalidades, conforme a sua necessidade e as demandas do ambiente em questão. Também assim, a instalação e manutenção elétrica vai depender do tipo de dispositivo.

Basicamente, o que o exaustor faz é trocar o ar quente do local pelo ar frio externo, fazendo mais ou menos a função de um ar condicionado residencial, porém, levando em conta todas as especificidades da aplicação gastronômica.

Já os depuradores são mais específicos e mais complexos, pois o que eles fazem é realmente filtrar a gordura presente no ar do ambiente. Seja como for, abaixo ainda vamos detalhar o papel do depurador e do exaustor.

O que precisa ficar claro agora é que as coifas são, justamente, depuradores ou exaustores, sendo que apenas levam esse nome por uma convenção. 

Além disso, há vários tipos existentes de coifa, que aprofundaremos abaixo.

Coifas: de parede, ilha ou suspensa

Como vimos acima, a diferenciação técnica e mais básica a respeito das coifas existentes no mercado nacional tem a ver com a funcionalidade do equipamento.

Porém, também há divisões que podem ser feitas com base em modelos e tipos de aplicação. 

No tocante aos modelos, há muitos fatores para levar em conta, tais como:

  • Armação de aço inox;
  • Iluminação embutida;
  • Baixo ruído do motor;
  • Partes de vidro temperado;
  • O consumo de energia;
  • O tipo de voltagem;
  • Painel de controle em LED.

Já no tocante à aplicação existem três tipos universais, que são os de parede, de ilha ou suspensa. Neste último caso ela imita um lustre, descendo do teto de maneira discreta, como uma coifa inox 60cm, menor do que as outras duas opções.

Já a coifa de parede pode ocupar um espaço maior, conforme o tamanho do fogão e a quantidade de bocas que ele tiver. 

Sem falar na necessidade de pensar na instalação da saída de ar, nas janelas e em toda a dinâmica do espaço, que influencia na escolha.

De fato, até a metragem de uma cozinha vai determinar alguns fatores na hora da instalação e da escolha do tipo de equipamento. 

Por fim, as coifas de tipo ilha são aquelas instaladas sobre fogões e cooktops localizados no centro da cozinha.

Essas ilhas gastronômicas estão cada vez mais na moda, e também impactam totalmente no sistema de saída de ar, bem como na relação com as janelas e com toda a ventilação natural do espaço em questão.

Entenda o depurador de ar

Agora, vamos aprofundar no depurador, para que não haja dúvidas sobre o funcionamento dele, especialmente em comparação com as demais opções de mercado.

Como já vimos, o essencial dele é mesmo a filtragem da gordura presente no ar do ambiente, bem como em tudo o que as receitas expelem diretamente para cima.

Seu funcionamento se dá por meio de dois sistemas básicos: uma circulação de ar (que na verdade faz a “recirculação” do ar da cozinha) e os filtros de carvão ativo.

Por isso, o depurador também exige um certo cuidado especial, mais ou menos como uma manutenção gas residencial, embora aqui o princípio ativo não seja o gás, mas o carvão.

No caso, o carvão ativo nada mais é do que a base dos filtros metálicos do equipamento, cuja função é filtrar o ar aspirado pelo sistema de circulação, na base do bloqueio físico e direto da gordura das receitas.

Só então o ar retorna para o ambiente, já purificado e desimpedido. Como o depurador age dessa maneira, ele também não precisa de tubulação de saída, de modo que não expele o ar para fora da casa, tornando-se também mais ecológico.

Só um adendo importante: a gordura fica contida no gradil do depurador, sendo preciso manter a higienização dessa peça. Já o filtro de carvão ativo não é lavável, então pede troca periódica, tal como um filtro de água.

Compreenda os exaustores de ar

Hoje em dia é muito comum pensar nas casas como um organismo cheio de detalhes que podem tornar a vida muito mais fácil e mais confortável.

Esta é, ao menos, a ideia dos sistemas de automação residencial, que podem ir desde um simples aquecimento central até janelas e cortinas que abrem sozinhas.

Pois saiba que a cozinha faz parte disso tudo, de modo que hoje existem muitos dispositivos inteligentes que podem interagir com tecnologias de ponta.

É o caso do exaustor, que por exigir um sistema de tubulação (daquele de tipo chaminé) acaba integrando a cozinha de maneira mais complexa. Assim, ele precisa combinar com outros elementos de maneira muito mais envolvente.

Por isso, seu design costuma ser mais trabalhado. Além disso, sua limpeza é muito mais simples, e conta apenas com detergente neutro e água.

Seu funcionamento é muito interessante, pois se dá mais ou menos como um ventilador, a ponto de que ele chega mesmo a refrescar o ambiente de cocção. Também por isso ele é mais indicado para uso profissional e até industrial.

O que ele faz, como vimos lá no começo, é trocar o ar da cozinha pelo ar de fora da casa. Como ele tem um rígido sistema de tubulação, ele precisa ser instalado a 2,5 m do chão.

Isso não precisa ser uma complicação muito grande, pois o tamanho da chaminé é que vai compensar o dispositivo como um todo, caso o pé direito do ambiente seja mais alto.

Considerações finais

Tudo o que dissemos acima deixa bastante claro que as diferenças entre coifas, depuradores e exaustores envolvem vários elementos, desde questões estéticas até funcionais e estruturais.

Como vimos, hoje em dia é comum falar em automação residencial e unir de modo mais íntimo o harmonioso com o funcional, ou até mesmo um sistema de segurança residencial.

Sendo assim, para quem já está acostumado a pensar a própria residência como um todo, certamente pensar nas diferenças que explicamos acima vai ser importante.

De fato, certamente você não vai querer se arrepender depois de fazer a instalação de um dispositivo tão importante e tão complexo quanto as coifas, depuradores ou exaustores.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

Actualizado el