6 ferramentas que todo mundo deve ter em casa para emergências

ferramentas

Todo mundo sabe que manter a casa em ordem pode ser algo fácil ou difícil, a depender da nossa organização e das ferramentas disponíveis.

Por isso mesmo, seja para fazer um reparo de emergência ou pendurar um quadro, as ferramentas podem ajudar e não é pouco.

De fato, um dos segmentos que mais crescem no Brasil é o de casa e construção. Segundo pesquisas, só a parte de melhorias em casa cresceu mais de 84%, sendo que em termos de projetos gerais a curva é de 125%.

Lembrando que esse setor inclui, justamente, as reformas e até a parte de decoração e design de interiores, como compra de um espelho decorativo

O que também ocorre tanto em casas próprias ou escritórios, quanto em imóveis alugados.

Ao mesmo tempo, outra tendência que tem se disseminado nos últimos anos é a do DIY (Do It Yourself), que nada mais é do que Faça-Você-Mesmo. 

Sua filosofia é a de cada um fazer o máximo possível em termos de reformas, reparos e modificações no lar.

Lembrando que isso tem um limite, a partir do qual apenas profissionais habilitados na área poderiam executar a mão de obra. 

Contudo, há um universo de coisas que qualquer um pode fazer, com ajuda de manuais e dos dispositivos certos.

É justamente aí que entra o papel das ferramentas, que podem ir desde um simples martelo ou chave de fenda, até algo mais profissional e complexo como uma furadeira para vidro, que apesar de ser mais elaborada também pode ser usada em casa.

Indo nessa linha, hoje o mercado oferece soluções como kits ou caixas de ferramentas, porém, mesmo nesses casos o foco costuma ficar em uma modalidade (como chaves). 

Sendo assim, para completar o arsenal, basta comprar outros tipos à parte.

O importante é não ficar sem o básico, de modo que não ocorra uma urgência que coloque algo em risco (como uma rede elétrica ou hidráulica). E também não fazer mau uso ou as famosas “gambiarras” por falta da ferramenta certa.

Por exemplo, um chuveiro frio no verão pode ser excelente, mas se você estiver no inverno e de repente precisar de um reparo, um simples alicate já pode garantir um banho bem mais quentinho.

Por isso decidimos escrever este artigo, trazendo aqui as 6 ferramentas que todo mundo deve ter em casa ou mesmo no escritório, sempre pensando em situações críticas, mas também em reparos e melhorias eventuais.

Se você quer entender de uma vez por todas como pode garantir essa segurança, mantendo o conforto seu e dos que moram com você, basta seguir adiante na leitura.

O que são essas ferramentas?

O termo ferramenta pode designar um conjunto bastante amplo de dispositivos criados pelo ser humano. 

Por exemplo, hoje em dia um software de computador pode ser chamado de “ferramenta” de trabalho.

Contudo, no sentido de casa, construção e artesanato, as ferramentas manuais datam de vários milênios atrás, tendo surgido na antiguidade. 

Esses utensílios foram evoluindo em termos de materiais, como pedra, ferro, madeira e plástico.

Por fim, veio o avanço da tecnologia após a Revolução Industrial e os microchips, permitindo o uso de placas lógicas e ferramentas de tipo eletrodoméstico, como o martelete rompedor 15kg. Esses dispositivos demandam energia elétrica ou bateria.

Sendo assim, podemos dizer que as ferramentas manuais mais universais e básicas são as seguintes:

  • Jogos de chave;
  • Pregos e parafusos;
  • Martelos e bigornas;
  • Alicates e espátulas;
  • Serrotes e serrinhas;
  • Ferramentas de furo;
  • Ferramentas de pintura;
  • Ferramentas de medição.

Outro ponto bacana é contar com caixas e kits, como mencionamos acima ou quando houver disponibilidade de espaço, improvisar um cantinho de ferramentas, com bancadas, suportes, móveis e quadros para uma melhor organização.

1. Sobre os jogos de chave

Não é possível falar em parafusos sem falar em chaves de fenda, que estão entre os utensílios mais básicos e mais antigos das ferramentas manuais no mundo todo.

Porém, esse nome costuma causar confusões, já que o tipo de fenda pode mudar consideravelmente. 

Assim, temos também a chave Philips (que é a de fenda cruzada ou chave de fenda estrela) e a chave Allen (que é a fenda em forma de hexágono).

Por fim, há outras ferramentas que levam o mesmo nome e também podem ajudar em uma urgência. 

Uma é a chave de boca, que lida com parafusos de cabeça sextavada, outra é chave de roda, que serve para pneus de carros e afins.

Ao mesmo tempo, vale a pena ter um estoque de pregos e parafusos de vários tamanhos, ou pelo menos em conjunto com as chaves que você já tem.

Afinal, alguns reparos podem exigir mais do que ajustes e apertos, como a troca de um parafuso que se quebrou ou que sumiu.

2. Para que martelos e bigornas?

O martelo é uma ferramenta manual universal, e certamente a mais antiga do mundo, se considerarmos os primeiros usos de utensílios similares feitos de pedra.

Seu uso é tão básico quanto quebrar um coco, mas vai muito além nos dias de hoje.  Há martelos de artesanato, feitos de borracha, para não “machucarem” as matérias-primas.

Contudo, a ferramenta clássica é feita de ferro, e pode ajudar a fixar ou desprender parafusos, além de permitir tração para outros usos, como manejo com madeira e até metais mais dúcteis.

As bigornas se aproximam muito do martelo, pois são utilizadas para malhar, moldar e modelar materiais quentes ou frios. 

Portanto, uma bancada mais completa deve contar com uma, caso o martelo vá fazer esforços maiores.

3. Os alicates e as espátulas

Quem já precisou segurar algo com firmeza e segurança (como um fio desencapado), sabe com certeza como o alicate pode ser indispensável em um bom kit de ferramentas manuais.

Além disso, os alicates podem ajudar a desemperrar peças e partes travadas ou a fazer cortes bastante precisos, tanto de chapas quanto de arames.

Por isso mesmo, há alicates de bico, de corte, de pressão e tantos outros, a depender do uso. Instalar uma cortina blecaute persiana pode demandar cortes aqui e ali, por exemplo.

Falando em cortar ou desemperrar algo, pouca gente sabe, mas as espátulas são uma evolução do pé de cabra, com a diferença de serem menores e mais fáceis de manusear. Nesse sentido, tem um uso parecido como o dos alicates.

4. Papel dos serrotes e serrinhas

Geralmente associamos o serrote clássico (com cabo de madeira e lâminas serrilhadas maiores e mais protuberantes) com artesanato, imaginando só o uso na madeira.

Contudo, quando o assunto é socorrer alguma urgência, é preciso lembrar que também existem as serrinhas, com lâminas menores e mais delicadas. 

São perfeitas para canos, não apenas maiores como de corrimao de inox, mas também canos hidráulicos.

Imagine, portanto, um cano furado e você precisando fazer um remendo temporário com outro pedaço de cano. Certamente, essa ferramenta manual vai fazer toda diferença.

5. As ferramentas manuais de furo

Aqui já entramos nas ferramentas mais elaboradas que citamos acima, as quais vão demandar não apenas a força do braço, mas também um recurso de bateria ou tomada elétrica, para maior tração.

As furadeiras podem demandar um pouco mais de atenção e cuidado, mas também são perfeitas para aplicação em casa. 

A dica de ouro é sempre prestar atenção em passagens de caso, para evitar o risco de furar algum.

Na mesma classificação entram outras ferramentas de torque semelhante, como a parafusadeira elétrica ou as lixadeiras e as que utilizam acessórios como o disco de corte para furadeira, que tem o mesmo tipo de torção e de torque.

6. Tenha ferramentas de pintura

Geralmente, quando falamos em emergência, não pensamos em pintar paredes. Contudo, há várias razões para ter ferramentas e materiais assim em casa.

A primeira é a própria pintura, já que muitas vezes os reparos podem exigir um retoque nas paredes ou nos móveis e eletrodomésticos. 

Depois, também tem as funções diversas de itens como pincéis, lixas e até lonas.

Por exemplo, os pincéis podem ser usados para limpar um cano enquanto você se prepara para um reparo mais preciso e higiênico. 

O mesmo vale para várias alterações ou intervenções feitas em uma corrente elétrica ou caixa de luz.

Já as lixas passam pelo mesmo processo, com a diferença de que aqui o conselho é comprar cada uma dentro da sua modalidade. 

Existem lixas de parede, de plástico, de ferro, de madeira e daí em diante, então faça um bom estoque das opções existentes.

Por fim, é imprescindível que você tenha ferramentas de medição, como fitas métricas, trenas ou mesmo réguas apropriadas (geralmente maiores e de madeira ou aço).

Considerações finais

Naturalmente, ninguém precisa sair correndo para comprar todas as ferramentas que citamos acima, pois é possível ir montando um bom kit aos poucos.

De qualquer modo, com o crescimento do setor de casa, construção e reparo, bem como da tendência do Faça-Você-Mesmo (Do It Yourself), é bom fazer parte disso.

Assim, com as dicas que trouxemos aqui, vai conseguir mergulhar nesse universo incrível, atendendo melhor qualquer emergência ou melhoria que precisar fazer.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

Actualizado el